quarta-feira, 11 de abril de 2012

Viver de mentiras


Uma situação, esses dias, me chamou a atenção. Estava eu, sentado em um banco de praça, quando duas pessoas se encontraram, e alegremente, começaram a se cumprimentar, com largos sorrisos, abraços apertados. O assunto foi rápido; logo uma das pessoas do diálogo foi embora, e outra ficou por ali. Então, toca o celular da pessoa que ficou, e com o rosto sério, aborrecida, ela falou ao telefone: "Pois é, tive o azar e o desprazer de encontrar aquela mala, acabou de sair daqui". Por consequência de ter visto aquela cena, desenvolverei o post de hoje: "Viver de mentiras".

Sempre que abro uma discussão sobre falsidade, diversas pessoas me dizem que existe uma grande diferença entre falsidade x politicagem. A politicagem seria a maneira inteligente de agir, educadamente e respeitosamente, mesmo com pessoas que detestamos, para evitar atritos, conflitos maiores. Para fazer a "política da boa vizinhança", agimos com cortesia, simpatia, até com inimigos. Me arrisco a afimar que mais de 90% da população, age desta maneira, pelo menos uma vez por dia.

Entretanto, percebo que algumas pessoas exageram na dose, e agem assim a maior parte do tempo. É querido(a) pra cá, meu bem para lá, amorzinho, amado(a). Existem pessoas que não conseguem ser sinceras nem mesmo com amigos, nem mesmo dentro de casa, com sua família, seus filhos. Acostumam-se a viver de mentiras. Para exemplificar, pergunta-se: "E aí, como foi o feriado?". A resposta é: "Nossaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, foi uma ma-ra-vi-lha. A-do-rei! Precisava ver, NUNCA ME DIVERTI TANTOOOOOOOOOOOO!"

Aí você logo traduz, foi uma droga o feriado. Parem de rir, o assunto é sério, eu acho. Tem aqueles que tem medo de dizer que a vida está boa, para não despertar inveja, olho gordo, então se divertem pra valer no feriado, e dizem: "É, foi mais ou menosssssssss, choveu, um carro bateu na rua, o cara do apartamento ao lado roncava igual um porco, teve um dia que tive uma dor de barriga, rapazzzzzzz...massss, pelo menos eu saí da rotina". Vocês conhecem pessoas assim, vocês sabem que conhecem!

É natural que seja necessário agir dessa forma em algumas situações, mas caramba, ser assim o tempo todo chega a ser cruel. É preciso ter cuidado para que a vida não seja uma mentira. Faz bem ao ser humano, dizer o que pensa, abrir seus reais sentimentos e pensamentos, pelo menos para pessoas confiáveis, pelo menos para pessoas as quais amamos. Uma vida de mentira, é uma vida boa para se mostrar para os outros, não para vivermos. De que adianta saber que nada daquilo é real? De que adianta ouvir um falso "eu te adoro", um falso "eu te amo"? Se não for real, não tem graça. E sabemos e sentimos quando é real, e quando é de mentira.

Se você vive de mentiras, a dica é sempre a mesma: "NUNCA É TARDE PARA MUDAR".  

2 comentários:

Anônimo disse...

Virei tua fã alguém entendeu, que "querido(a)", "amorzinho" e etc... em determinadas situações tem um certo tom de falsidade. Um pouco mais de verdade é só o que estamos precisando.

Amanda Ramos disse...

adorei ...sempre falo isso.

Postar um comentário