segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

TOP FIVE - DEZEMBRO

19/01/2012, 7 comentários


06/10/2012, 2 comentários




05/06/2013, 4 comentários

domingo, 8 de dezembro de 2013

Mudaram as estações


"Mudaram as estações, nada mudou...mas eu sei que alguma coisa aconteceu, tá tudo assim, tão diferente!", assim dizia o poeta Renato Russo, na letra de "Por enquanto". Tem certos dias que me perco nesses versos, imaginando diversos significados, entendendo, por exemplo, que por mais que a gente não perceba claramente, as coisas andam acontecendo, tornando tudo diferente.

É estranho retornar à alguns cenários do passado, vendo histórias se repetindo, com novos personagens, e você que um dia já foi um participante ativo e atuante em um roteiro semelhante, percebe que o tempo passou, as coisas mudaram. Entretanto, por dentro, ainda somos os mesmos, ou temos muito daqueles antigos seres humanos, que um dia já fomos.

Nessas horas, passado e presente se misturam, e se confundem. Há um grito guardado que berra um: "Eu ainda estou aqui! Como assim, tudo mudou?"

Pois é, cai a ficha de que não se é mais tão jovem quanto antes, e por mais que ainda seja possível enxergar dentro de si aquela pessoa que fomos antigamente, o tempo passou, e com ele vieram amadurecimento, envelhecimento, responsabilidades, experiência. Por mais que você entenda que os tempos mudaram, bate uma saudade apertada de tanta coisa, um ar tão nostálgico.

Ao mesmo tempo, não dá vontade de voltar, pois teve muito chão caminhado para chegar a este presente de hoje. Mas em determinados pontos, paramos de caminhar por uns minutos, nos viramos e olhamos para trás, só aí enxergamos. Quantos passos pelo chão, quantas marcas deixadas, que viagem longa! Apesar de estar bem e feliz no agora, olhar para trás ainda mexe com a gente.

Depois de uma pequena pausa, é hora de seguir sempre em frente, vivendo, experimentando coisas novas, para mais adiante, poder olhar para trás de novo, e perceber que a vida não para, é intensa, e cada dia é mágico. Amanhã ou depois, o "hoje" vai deixar saudade, mas só se sente saudade daquilo que um dia foi felicidade. E é bom demais sentir que essa felicidade nos acompanha, seja lá em que estação estivermos. Nada mudou, mas tudo sempre estará diferente...AINDA BEM!

#Nuncaétardeparamudar

sábado, 7 de dezembro de 2013

TOP FIVE - NOVEMBRO

19/01/2012, 7 comentários


06/10/2012, 2 comentários


12/11/2013, 1 comentário


26/11/2013


02/10/2013, 5 comentários

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O perfume


Esses dias eu estava andando pela rua, até que senti um perfume forte, logo percebi o cheiro, e parei para pensar: Que estranho, reparo que passo perfume e não sinto meu cheiro. Será que meu perfume é fraco? Será que não tenho cheiro? Acredito que muitas pessoas passem pela mesma situação, e até procurem aromas mais fortes, buscando reconhecer e sentir um cheiro que venha de si mesmo. Com vocês: "O perfume".

A explicação é simples, o olfato, é um sentido que precisa ser estimulado, e ao sentir um cheiro, nosso cérebro procura interpretar e fornecer a sensação correspondente. Além disso, o olfato é um sentido que também serve como sinal de alerta, como sentir cheiro de fumaça, por exemplo, nos remetendo a interpretar como provável perigo do fogo, um incêndio, etc. O que ocorre é que sentimos o cheiro mais forte, quando nos deparamos com um cheiro de nosso interesse ou algo que nos chame a atenção. Entretanto, após ficarmos algum tempo em contato com algum cheiro, nosso cérebro interpreta que este cheiro não precisa mais ser fortemente percebido, focando em novos cheiros diferentes que possam aparecer.

Por isso é interessante associar o perfume à autoconfiança/autoconhecimento de uma pessoa, pois vamos imaginar que o cheiro do seu perfume seja equivalente ao seu valor. Nem sempre conseguimos perceber nosso próprio cheiro, mas algum dia já entramos em contato com aquele aroma que nos agradou e resolvemos usar aquela fragrância com certa frequência. Não é preciso sentir o cheiro o tempo inteiro, para saber que ele está perfumando você.

E isso acontece com o seu valor, ao longo da vida você deve perceber e entrar em contato com o seu interior, se conhecer e entender que, por mais que nem sempre esteja totalmente perceptível, seu valor existe e está sendo percebido por outras pessoas. Pare de achar que somente o outro tem um "cheiro" bom, ou que o outro tem um "cheiro" melhor que o seu. Por mais que existam perfumes iguais, em contato com a pele, cada um vai ganhar um "cheiro" único, próprio, e ter "cheiro" bom ou ruim vai depender da opinião daquele que o percebe, vai depender da opinião própria de cada um, e variar de pessoa para pessoa. 

E você, sabe que perfume usa?

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Da boca pra fora!


Tem dias em que fazemos tudo errado, agimos de forma contrária ao que sentimos, falamos aquilo que não pensamos, magoamos a quem mais amamos. Momentos infelizes, que nos trazem profundo arrependimento e certa dor na consciência. As vezes é difícil explicar que fizemos tudo por impulso, que não passou de um engano,  e poderia ser evitado se tivéssemos pensado um pouco mais, quando resolvemos dizer aquilo que não pensamos realmente, que foi: "Da boca pra fora"!

Depois, o estrago já está feito, é preciso correr contra o tempo, para tentar justificar aquilo que não tem justificativa. Quantas vezes magoamos a quem amamos, quando queríamos dizer um simples "eu te amo"? Mas uma palavra torta, mal entendida, acaba causando um conflito e a partir daí, ofensas gratuitas são distribuídas, joga-se na cara todos os pontos fracos, todos os erros que já foram cometidos um dia. E pior que ofende mais quem conhece, quem convive de perto, e muitas vezes, quem ama.

Entretanto, na raiva, nem tudo que se fala é verdade. Quem nunca errou, que atire a primeira pedra; e conforme o tempo passa, ganhamos uma maturidade maior para assumir nossos erros, e compreender que existem dias ruins, tanto para nós, como para aqueles a quem amamos. A partir disso, deixamos de prolongar certas crises, perdoamos mais, pois compreendemos mais. Não faz sentido pensar que a pessoa que mais nos ama, iria querer nos ferir com palavras tão duras.

Mesmo assim, algumas brigas servem para fortalecer, pois se na primeira ofensa tudo chega ao fim, talvez a relação fosse tão frágil, a ponto de quebrar no primeiro impacto, como uma jarra de vidro que se quebra em pedaços na primeira queda. Então, é necessário maturidade suficiente para pedir desculpas, assumir seus erros e voltar atrás, sabendo que o orgulho não nos leva à lugar nenhum.

Quem está certo ou errado não importa, resolva o quanto antes e ponto final. Se a jarra de vidro quebra-se facilmente, use uma jarra de plástico para ser o suporte da plantinha do seu amor. Nem tudo que é mais bonito, dura mais; e sim o que é mais maleável  e resistente! 

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

TOP FIVE - OUTUBRO

19/01/2012, 7 comentários


06/10/2012, 2 comentários


21/10/2013, 1 comentário


02/10/2013, 2 comentários


02/05/2013, 1 comentário

terça-feira, 29 de outubro de 2013

A cumplicidade no olhar


Não há como negar ou esconder quando amamos alguém de verdade. Não existe como substituir ou até mesmo transferir o sentimento para alguma outra pessoa, pois ela é diferente de todas as outras pessoas que você conhece, é única, e um sorriso involuntário se abre só de ouvir aquela voz, ou avistar que ela vem chegando. Mas quando ocorre aquela química quase perfeita entre um casal, poucos se dão conta, mas existe um sinal claro: "A cumplicidade no olhar".

Um olhar que "diz" tantas coisas, que penetra a alma e liga coração com coração, alma com alma. As vezes esquecemos do mundo, e partimos para algum tipo de universo paralelo, onde os sons se calam e o tempo para. Esse olho no olho só enxerga a verdade, a intimidade, e consegue ver o que existe por trás de todas as defesas que criamos por autopreservação, mas nesse estado, não existem mais segredos, não há nada para esconder e nem seria possível.

E é engraçado que existem casais que nem são casais oficialmente ainda, que se amam sem saber. Não tem a sensibilidade necessária para enxergar todas as sutilezas que se mostram em um olhar. As vezes precisam de um empurrãozinho, pois sentem um amor de melhores amigos e ficam confusos com este sentimento, e por medo de perder essa pessoa amada, tentam se conter. Mas tem coisa melhor do que namorar a pessoa por quem você tem mais amizade?

Até costuma-se falar que os olhos são o espelho da alma, pois ali refletimos nossa verdade absoluta, mostramos quem somos, e quando duas pessoas que se amam se olham com amor, nem mesmo o melhor ator consegue disfarçar. E quando se conhece um amor pelo olhar, você pode procurar aquele brilho em milhões de outros olhos, e nunca irá encontrar em outra pessoa. Mas seja lá o tempo que passar, quando rever aquele mesmo olhar, você vai se lembrar de tudo que foi vivido, todo aquele sentimento, vai voltar!

São olhares que se atraem como ímãs, e eternamente vão se procurar... 

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O canto da cigarra


O inverno já passou, levando embora o frio, e trazendo o calor do verão. Quando chega essa fase, é muito característico ouvirmos "o canto da cigarra", que é um som emitido por elas, que só acontece nos meses quentes. Não pretendo aqui explicar a fundo, cientificamente, o canto das cigarras, e sim, contar um pouco do que este canto representa pra mim.

Já diz o ditado, que quem canta, seus males espanta. E quando ouço o canto das cigarras, eu inacreditavelmente, me sinto muito melhor, tendo os problemas que forem, mesmo em dias estressantes. Me lembro que desde pequeno, quando estava de férias, o sol começava a se despedir, saindo lentamente do céu, e eu vinha voltando pela praia ouvindo aquele canto das cigarras, que muitas vezes se misturava a um vento bem leve que envolvia meu rosto e despenteava meus cabelos.

Acontece que meu cérebro associou o canto das cigarras à lembranças felizes, e quando a cigarra canta, eu me lembro quem eu sou e quem um dia eu fui, e dá uma sensação gostosa de nostalgia. E sempre preferi o verão por me lembrar que era quando eu estava de férias na escola, por estar perto da minha data preferida no ano, que é o Natal. Sei que hoje tanta coisa mudou, e eu não sei nem dizer se eu tenho férias de verdade, posso dizer que hoje tenho alguns dias de folga apenas. Mas nada disso me importa, pois sempre que a cigarra canta, eu volto a ser aquele menino que brincava feliz, soltando pipa na beira da praia.

Antigamente eu chegava até algumas árvores, e via a casca de uma cigarra, imaginando que ela havia morrido. Anos depois eu descobri que ela não morria, e sim se transformava, num fenômeno chamado "ecdise", onde ocorre uma metamorfose, e troca-se a "pele", mudando para um corpo que permite uma adaptação melhor ao ambiente. A vida da cigarra não acaba ali, ocorre apenas uma transformação no corpo delas.

Todo ano é a mesma história, quando eu me perco de mim, a cigarra vem me lembrar quem eu sou. E isso me faz pensar que meu corpo pode até mudar, mas dentro de mim é que existe a vida real, e o corpo atual é apenas como a "casca da cigarra". E é por isso que eu sempre admirei e admiro tanto "o canto da cigarra"!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Vidas vazias


Felicidade ilusória, falta de metas e objetivos altruístas, ocupação do tempo com coisas banais. Amizades levianas, amores vagos, sentimentos falsos, relações superficiais, mentira imitando a verdade. Não sei se sinto raiva, ou se sinto pena. Só sei que daqui do alto do monte, enxergo uma infinidade de "Vidas vazias", que buscam o tempo inteiro, preencher um buraco sem fim!

Fico confuso, e não sei se apenas eu exagero e enxergo tanta gente vivendo dessa forma, ou se o mundo está cego demais para perceber mesmo uma espinha na ponta do seu próprio nariz. Cada um querendo olhar para o seu próprio umbigo, egoísmo extremo, falta de compaixão, falta até de dignidade. Amor ao próximo? "Depende. O que o próximo tem para me oferecer?"

Pessoas estão se tratando como objetos, as relações visam suprir os seus interesses particulares. Lembrando que os objetos são descartáveis, e quando não servem mais, vão para o lixo. Nem mesmo se torce mais pelo sucesso do outro, pois a desgraça gosta de companhia e tem muita gente mais preocupada com o que o outro tem ou pode vir a ter, do que de correr atrás dos seus próprios sonhos e fazer um futuro melhor para si mesmo, com honra e dignidade. Quando conquista algo relevante, fica mais preocupada de mostrar para os outros, ostentar, jogar na cara, do que curtir e aproveitar o seu feito.

Parece exagero, mas olhando para certas vidas, a sensação que tenho é que, por atitudes como essas, algumas vidas são jogadas fora, são desperdiçadas. Não há contribuição para melhoria de nada, para o mundo ou para a vida de quem quer que seja, são vidas que se encerradas agora, não deixariam lembranças e nem deixariam saudade. É como passar pelo mundo e não existir, viver nas sombras, e ser lembrado como um nada.

Portanto, seja a diferença, acorde de um sono profundo enquanto ainda há tempo. Existem vidas vazias, mas existem muitas vidas totalmente completas e preenchidas com coisas boas, úteis. Acorde amanhã pensando em fazer algo de bom para alguém, algo de bom para o mundo, só interferindo na vida das pessoas se for para contribuir e somar. Se for para prejudicar alguém, mesmo o seu pior inimigo, não faça! O maior prejudicado nessa história acaba sendo você. A vida vazia é como uma alucinação, é tudo de mentira, nada daquilo existe, é tudo uma grande ilusão! Para preencher o vazio, procure ser uma pessoa melhor e beneficiar o máximo de pessoas possíveis, através dos seus atos. Não importa SE ou O QUANTO você já errou, importa, apenas, que NUNCA É TARDE PARA MUDAR!

sábado, 19 de outubro de 2013

Nunca é tarde para mudar - 2 anos (nova fase)

É com muita felicidade que completamos mais um ano juntos, nessa nova fase do blog, que é bem antigo, mas voltou nesse formato que vocês conhecem, há exatos 2 anos. Já passamos das 70 mil visitas nessa nova etapa, com visitas de outros países como Estados Unidos, Portugal, Alemanha, Rússia, França, Espanha, Canadá, entre outros. Obrigado à todos vocês pelo sucesso, pelos comentários, pela força que me dão, fico honrado com tantas visualizações, compartilhamentos, e toda a divulgação que vocês fazem para o nosso querido blog, esse espaço que eu criei, mas não pertence só a mim, pois é de todos nós. Que essa nossa parceria se mantenha e continue firme e forte a cada ano. Conto com vocês meus queridos, rumo as 150 mil visitas até o próximo ano, será que dá? Beijos e abraços!

A seguir, os 10 mais visitados da nova fase do blog:

19/01/2012, 7 comentários









 
25/04/2012, 5 comentários










05/12/2011, 4 comentários










01/11/2011, 4 comentários










12/01/2012










06/10/2012, 2 comentários



















11/04/2012, 1 comentário










22/01/2012, 3 comentários










01/12/2011, 3 comentários




quarta-feira, 2 de outubro de 2013

A indiferença


Ofensas, xingamentos, discussões acaloradas, agressões físicas e/ou verbais, tudo isso é evitado pela maioria de nós, por ser sempre uma situação desagradável de se viver. Entretanto, pode-se dizer que existe uma exposição do que se sente quando essas coisas ocorrem, existindo verdade, sinceridade e principalmente, UMA ATENÇÃO com o outro, apesar de tudo. Hoje vamos falar do pior "tapa na cara" que se pode dar em alguém: "A indiferença".

Definição: "Característica de alguém que se mantém de maneira tranquila, não demonstrando preocupações, se comportando de forma indiferente face a algo ou a alguém; ausência de interesse; sentimento de apatia ou incapacidade para responder quaisquer atividades estimulantes. Condição de alguém que não se deixa influenciar pelos sentimentos ou responde aos mesmos."

Muitos irão discordar de mim, mas reafirmo que a indiferença acaba doendo e machucando ainda mais que qualquer resposta, qualquer ofensa ou agressão. Até mesmo seus inimigos querem que você os perceba, que se importe, que preste atenção, aquele: "ei, estou falando com você!". E nada é mais desagradável que a pessoa nem se importar, não responder, não jogar indiretas ou esbravejar; simplesmente virar as costas e ir embora, como se não fosse com ela.

O mais interessante é que, para ser indiferente, não se pode forçar a barra. Algumas pessoas tentam usar isso como tática, mas isso nunca funciona, chega uma hora em que a máscara cai e demonstra-se algum sentimento, alguma reação ao outro. Para estar indiferente de verdade, precisa ser aquela sinceridade do fundo do coração, de REALMENTE NÃO SE IMPORTAR. Dar desprezo mesmo, ter total desinteresse pelo que o outro fala, pensa, faz ou deixa de fazer. Tanto faz, não importa!

Mas vale ressaltar que ser indiferente, muitas vezes é o melhor que se pode fazer, não por vingança ou por algo premeditado. Ao longo da vida, muita gente te chamará para o confronto, para o conflito, e ninguém sairá ganhando caso isso acabe acontecendo. Se o outro vai se magoar por sua indiferença, é problema dele, não seu. Dê atenção ao que te importa, àquilo que você considera e valoriza. O resto, é total perda de tempo, ignore!


terça-feira, 1 de outubro de 2013

TOP FIVE - SETEMBRO

19/01/2012, 5 comentários


06/10/2012, 2 comentários


18/09/2013


16/09/2013, 1 comentário

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Embalagem


Definição: Recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente. Visa proteger o conteúdo, informar sobre as condições de manipulação, exibir os requisitos legais como composição, ingredientes, entre outros, e fazer a promoção do produto, através de gráficos.

É interessante pensar que a embalagem não se resume à embalar apenas produtos. No dia a dia, percebemos que pessoas usam "embalagens" o tempo inteiro; o jeito como você se apresenta para os demais também visa proteger o seu produto (intimidade), exibir os requisitos (personalidade) e promover o produto (imagem que você deseja transmitir para os demais). Querendo ou não, todos possuem alguma: "Embalagem".

Minha intenção não é afirmar que pessoas são produtos. O que quero dizer é que, infelizmente, somos rotulados pela nossa aparência, ou devido ao modo como nos apresentamos. Faça o teste, corte e penteie seus cabelos, e ande pela rua de terno; pergunte à pessoas aleatórias qual é sua profissão; e logo te dirão que você é empresário, advogado, médico, te dirão que você é sério e bem sucedido. Mas se você sai de casa à vontade, de chinelo, bermuda, cabelo descuidado, aquelas mesmas pessoas te dirão que você é desempregado, vagabundo, não é confiável.

Acredito que mais de 70% da população rotula as pessoas por suas "embalagens", e diversas vezes se enganam, pois até mesmo "bons produtos" se apresentam em embalagens simples e humildes. Cansamos de ver embalagens ótimas e atrativas em produtos de péssima qualidade. E se tratando de pessoas, somos complexos demais para sermos "interpretados" por aparências, pois como diz o ditado: "as aparências enganam".

Só não se esqueça que se aparência definisse caráter e índole, os maiores corruptos, ladrões e desonestos não usariam terno, todos os dias, para trabalhar!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

A verdadeira mudança


Chega um dia em que as coisas não podem continuar mais como eram antes, existe não só uma vontade, mas uma necessidade de que tudo seja diferente. Esse dia chega para a maioria das pessoas, cansadas de repetir os mesmos erros, de ter os mesmos tropeços, parecendo um filme que se repete e você, embora saiba o final, acaba se surpreendendo e se machucando de novo. Arrependimento ou culpa não ajudam em nada, e quando você entende isso, chega a hora: "A verdadeira mudança".

Quando a gente erra, é bem mais fácil colocar a culpa em alguém, transferir a responsabilidade, elegendo um algoz, ficando no papel de vítima. Difícil é admitir o que se fez e o que continuamos fazendo; nem sempre a culpa é totalmente nossa, mas diversas vezes, existe sim uma grande parcela de responsabilidade nossa. Mesmo quando erramos e estamos conscientes disso, a culpa em nada ajuda. Não devemos mudar por sentimento de culpa, e sim, mudar por "consciência do erro", digamos assim, mudar por perceber que aquele caminho não era legal, mas sem estacionar na estrada, e sim, continuar seguindo em frente.

É assim que eu percebo a verdadeira mudança; quando mudamos por vontade própria, quando não mudamos para agradar alguém ou por arrependimento/culpa, ou mesmo por obrigação. A mudança simplesmente vem de dentro, espontaneamente, é natural e não há um "forçar a barra". Quando não vem de dentro, quando não é natural, existe um certo "faz de conta", uma atuação de um papel a ser seguido, você cria um personagem que não é você, e passa a ser um ator/atriz.

Não se preocupe se a sua hora de mudar ainda não chegou, tudo acontece no tempo certo e na hora exata. Caso você sinta alguma culpa ou arrependimento, use isso como ensinamento, não como punição. Faça diferente por vontade de não querer que algo ruim se repita. E aí, tentando evitar o mal, você segue o caminho certo, o bem. A bússola que te guia para o caminho do bem é seu coração, é ele quem te diz para onde quer ir; quando estamos errando o caminho, dentro de nós, sensações estranhas acontecem, e o coração bate diferente, meio que fora do compasso. Quando estamos no rumo certo, parece que ele bate mais tranquilo e feliz.

Não mude por algo ou por alguém. No dia que quiser mudar, MUDE POR VOCÊ! Toda borboleta, um dia já foi lagarta; um dia já rastejou lentamente pelo chão, e hoje pode voar...pense nisso!

 #Nuncaétardeparamudar


sábado, 31 de agosto de 2013

Julgamento


As vezes me sinto triste, por perceber que vivemos sendo julgados. Todos nós passamos por isso, o que quer que a gente venha a fazer, vai ter gente achando defeito, criticando, menosprezando. Somos bombardeados diariamente por "juízes", que gostam apenas de julgar, mas não gostam de ser julgados. Se fazemos algo, está errado; se deixamos de fazer, também está errado. Eu pergunto pra vocês, e quando é que está certo? Ninguém escapa do "JULGAMENTO"!

Eu me irritava profundamente com isso, por muito tempo. Até que eu percebi que era impossível agradar à todos, e por mais que eu me esforçasse, não dava e parecia não ser o suficiente. É difícil compreender que cada um tem sua vida, seus problemas, seus desafios particulares, que cada um pensa de uma forma, e vive da maneira como mais lhe agrada. É preciso entender que seus amigos não são iguais a você, e nem deveriam ser, pois todos somos diferentes e únicos.

Quando a pessoa não trabalha, os "juízes" a chamam de vagabunda; quando trabalha demais, se torna ambiciosa, viciada em trabalho. Se você não se exercita, é sedentário e molenga, mas se faz exercícios, é bombado e fútil. É como se tivéssemos "obrigação" de sermos bons, o tempo todo; se somos bons demais com os outros, acabamos virando os idiotas, e logo aparecem os "juízes" dizendo que você não tem pulso firme, que não tem o respeito de ninguém, e é bobo para as pessoas. Se você se revolta, rebate no mesmo tom a quem te desrespeita, aí é simples, julgam que você não presta!

Cobranças e mais cobranças, pisando em ovos, somos obrigados a pisar bem de mansinho para não quebrar. Entretanto, as críticas não cessam, os "juízes" nunca irão parar de julgar. Chega a ser um absurdo exigirem de nós, algo que não é deste mundo, a perfeição. Devemos ser perfeitos, num mundo que passa longe da perfeição? Devemos ser perfeitos devido à julgamentos sem fundamento dos maravilhosos "juízes" que fazem parte de nossa sociedade? Que direito temos de julgar os outros?

O mais engraçado é que quem te julga demais, muitas vezes tem atitudes bem parecidas ou até piores do que as atitudes que vivem criticando. E mais, essas pessoas tendem a ter um peso e duas medidas; se alguém que eles amam faz alguma das coisas que eles tanto reparam, os "juízes" procuram abafar o caso, inverter a história, ou simplesmente mudar de opinião. Olha que legal, o que "não podia, agora pode"!

"Enquanto a caravana passa, os cães ladram"; latir é permitido, pode latir a vontade!

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

TOP FIVE - AGOSTO

19/01/2012, 4 comentários

14/08/2013, 1 comentário



06/10/2012, 2 comentários

23/08/2013

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Não!


Me lembro que quando eu era criança, meus pais não deixavam faltar nada em casa, mas vivíamos sem muito conforto, sem luxo, sem ostentar nada. Era comum eu pedir alguma coisa, um presente, passeios, viagens, por exemplo, e ouvir um "não"; mas eu sempre soube aceitar isso. Entretanto, vejo que alguns pais acabam não negando absolutamente nada para seus filhos, por medo de magoá-los ou traumatizá-los. Só que infelizmente, na vida, é necessário saber dizer: "Não"!

Aposto que você também conhece alguns pais que dizem que não podem negar nada para seus filhos, senão a criança fica com febre, fica doente, vai ficar triste, depressiva. Então, esses pais acabam até entrando em dívida, pois dão o que podem e o que não podem dar, para agradar os seus filhos. Pensam que dizendo sim para tudo, estão ajudando a educar e a torná-los futuros adultos felizes e bem resolvidos. Alguns acabam dizendo sim para tudo, por falta de paciência mesmo, falando "sim", para não ter o trabalho de argumentar e explicar o "não".

E o que será que acontece com uma criança que podia tudo, o tempo todo? O que será que acontece quando essas crianças crescem e se tornam adultas?

Na maioria dos casos, essa criança que sempre pôde tudo, que não tinha nenhum desejo negado, acaba não tendo limites, se tornando uma criança mimada. Acha que tudo tem que acontecer do jeito que ela deseja, como se o mundo vivesse em função dela. E o pior, se os pais não dizem "não", a vida acaba negando as coisas, se encarregando de mostrar que não podemos ter tudo que queremos, e muitas vezes de forma muito mais dolorosa do que se tivesse sido explicada pelos pais.

Por isso, as vezes vemos tanta gente fazendo besteiras para conseguir dinheiro, ou fazendo barbaridades para terem o que querem, não se conformando quando não conseguem aquilo que desejam; por isso vemos tantos adultos invejosos, ou com ambições desmedidas. Infelizmente, não podemos conseguir tudo que desejamos, e ao longo da vida, você ouvirá muitos "nãos". Mas no final das contas, isso te fará bem!

Aceitar tudo não é amar, aceitar tudo é, muitas vezes, se omitir!

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Orgulho em 1º lugar


Estes dias, eu estava arrumando minhas gavetas, jogando fora alguns papéis velhos, para organizar direito, e encontrei um papel de muitos anos atrás, que era a respeito de um teste de personalidade, desses sem muito crédito, de revistas de fofoca. Lembro que tinha que responder alguns itens, e meus amigos e eu, fizemos de brincadeira, para saber a nossa "personalidade". Anos depois, eu por curiosidade, fui reler, e fui olhando os tópicos: amor, família, carreira, entre outros, e "Orgulho em 1º lugar".

A princípio, tive a mesma reação de antigamente, e sorri quando vi o orgulho na primeira posição, não dando crédito, achando que era um erro comum nesses tipos de teste. Entretanto, dessa vez eu parei para pensar melhor, tentando entender a razão dessa resposta tão estranha. Poderia ser verdade que o orgulho "falava" tão alto assim, em meu modo de ser?

Até que andando pela rua, vi um conhecido meu, mas aparentava estar distraído, então pensei em cumprimentar, vinha olhando de longe, a medida que eu me aproximava dele, eu pensava, melhor não falar, melhor não falar, até que passei e não falei, para não correr o risco de não ter meu cumprimento retribuído. A partir daí, eu comecei a me lembrar das coisas que considero mais importantes em minha vida, que são amor e família; é interessante que até com as pessoas que mais amo, eu costumo avisar que se duvidarem de mim, da minha palavra, se desconfiarem das minhas atitudes, eu largo de mão e não quero mais saber, pois são as pessoas que mais me conhecem, e tem obrigação de saber a minha índole e o meu caráter.

Sendo bem sincero, não sei dizer se o orgulho vem em primeiro lugar, mas percebi que claramente ele existe, e é forte em mim. O mais estranho, é que o orgulho, não te dá orgulho; você se sente mal quando deixa de fazer as coisas, deixa de perdoar ou mesmo de compreender as situações, por um medo absurdo de se machucar, por uma autopreservação exagerada. Ter um pouco de orgulho, é até bom, desde que este orgulho não seja exagerado, que não te atrapalhe. Desde o momento em que você se prejudica por conta deste orgulho, é hora de parar e repensar.

Quando você percebe e assume determinado "erro" que você esteja cometendo, isto se torna mais fraco. Você se torna consciente, se compreende melhor. Talvez só agora, o orgulho não esteja mais em primeiro lugar em minha vida, foi preciso um teste antigo, para que eu me desse conta disso.

E você, tem orgulho? Que posição ele ocupa em você? Pense nisso!


quinta-feira, 1 de agosto de 2013

É difícil dizer obrigado?


Vivemos em um mundo onde a maioria das pessoas só "precisam", "querem", "necessitam". Alcançamos coisas valiosas a todo momento, e muitas vezes nem nos damos conta. É como uma busca insaciável, baseada no "ter", e não no "ser". Até mesmo aqueles que acreditam em Deus, em suas orações e rezas, pedem muito, querem muito, mas agradecem pouco ou praticamente nada. Me entristece ver que dificilmente nós agradecemos, pelo que quer que seja. Será que: "É difícil dizer obrigado?!"

Basta pararmos para pensar um pouco, para percebermos tanta coisa que não enxergamos. A natureza, por exemplo; todos os dias o Sol nos acorda, ilumina nossos dias, nos aquece do frio, trabalho incansável, dia após dia, assim como a Lua, que chega trazendo o turno da noite, acompanhada de tantas estrelas que iluminam nosso céu todos os dias. Já pararam para imaginar o que aconteceria se um dia, Sol e Lua deixassem de aparecer? Se o planeta Terra parasse de girar de modo perfeito? Sem o Sol, não teríamos mais a luz do dia, nem o calor, morreríamos de frio; sem a Lua, não teríamos descanso do calor, e tudo viraria um enorme deserto quente. Mas alguém se importa?

Recomendo também que um dia todos frequentem orfanatos, e conheçam a vida das crianças que foram abandonadas, ou perderam os pais, e ficam em um lar esperando o dia da adoção; quando você se depara com essa realidade, acredito que você aprende a valorizar mais a sua família, e acaba parando de reclamar tanto, exigindo dos seus familiares tamanha perfeição. Aí você valoriza sua casinha, as vezes simples, mas sua; a partir disso, passaria a cuidar mais dos seus pais e dos seus entes queridos, entre outras coisas. Você tem a sorte de não ter que esperar dia após dia, para saber se fica no orfanato, se vai aparecer alguém para te dar um lar e uma família, e se essas pessoas que irão te levar, te tratarão bem.

Além de ter saúde; alguém agradece por isso? Eu te desafio, passe apenas UM DIA com os olhos vendados, sem tirar a venda em momento nenhum, sem enxergar nada; passe apenas UM DIA com os braços amarrados, ou sentado numa cadeira sem levantar; passe apenas UM DIA com tampões no ouvido, sem ouvir um som sequer. Alguns de nós já fomos internados ao longo da vida, até algumas vezes, e a sensação de ficar o dia todo numa maca de hospital, sendo furado a toda hora, tomando um monte de comprimidos, sofrendo, com dor, é legal?

Então meus queridos, antes de falar um monte de bobagem, dizendo que a vida não presta, que tudo é um saco, que você só vai ficar bem se tiver o que "precisa", "quer" e "necessita", antes de reclamar ou ficar desejando tudo o tempo todo, pense nas coisas que você tem, e no quanto de motivos você tem para agradecer até mesmo por viver. Peça menos, AGRADEÇA MAIS!

quarta-feira, 31 de julho de 2013

O medo de acabar sozinho!


O tempo passa depressa, acelerando de um modo em que não se consegue acompanhar. Já não se é mais tão jovem como se foi um dia, tanta coisa já está mudada, está tudo tão diferente. Muitos amigos já seguiram suas vidas, se casaram, formaram famílias; alguns tem filhos já grandes. As crianças de ontem, se tornaram adolescentes, algumas até viraram adultas. Chega uma hora em que todo mundo quer um sapato velho, para um pé descalço, e a verdade é que um medo é inevitável em todos nós: O medo de acabar sozinho!

Para entender este sentimento, precisamos compreender primeiro a representação que a sociedade em geral dá, para a formação de uma família. A grande maioria das pessoas acredita que só existe realização pessoal se um sujeito consegue um par para dividir sua vida, e tiver filhos; se a pessoa consegue alcançar isso, acredita-se que houve prosperidade na vida pessoal e afetiva. Aquele que não segue, seja lá por qual razão, essa ideia de criar uma família, é visto como um sujeito infeliz.

Mas será que todo mundo que tem família e companhia, é realmente feliz? Será que todos que formam uma família, queriam realmente se casar, e seguir o rumo tradicional? E quem vive sozinho, é infeliz?

Vejo, no dia a dia, tanta gente que se desespera com esse medo de ficar sozinho, cometendo tantos erros, fazendo tanta bobagem. Alguns parecem acreditar que, o mundo para os solitários, irá acabar a qualquer momento, e restam poucas horas para arrumar uma companhia, senão será condenado a solidão eterna e a tristeza! Acabam esquecendo do ditado que diz: "Antes só, do que mal acompanhado", ou mesmo que "A pressa é inimiga da perfeição".

Depois de um tempo, você irá ver várias pessoas há muito tempo casadas, dizendo para os solteiros, que aproveitem suas vidas, pois é a melhor fase da vida, pois não existiam tantas responsabilidades, tantos problemas para serem resolvidos. O que quero dizer é que a felicidade está em você, e não onde a sociedade presume que está. Se você conquistar uma companhia agradável, que te faça feliz, vale a pena casar e seguir adiante; se você tem medo de ficar sozinho, e se junta com a primeira pessoa que te aparecer, corre sério risco de ser infeliz.

Faça tudo no seu tempo, quando for seu momento, esqueça as pressões, quem tem que viver a sua vida, é você! Não os outros...e o que tiver que ser seu, está guardado!


terça-feira, 30 de julho de 2013

TOP FIVE - JULHO

19/01/2012, 4 comentários

12/07/2012, 2 comentários


17/07/2013

06/10/2012, 2 comentários

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Generalização


Definição: "Tornar geral, não fazer restrições individuais; vulgarizar; difundir; tornar comum."

Confesso que me incomoda muito quando vejo pessoas que rotulam toda a sociedade, baseadas em um pequeno grupo de pessoas. Me dá a sensação de que querem nos fazer acreditar que todo mundo é igual, desprezando a nossa individualidade, desprezando as nossas diferenças. Ou então, procuram logo nos enquadrar em algum dos diversos grupos pré-determinados por ideias sem fundamento algum. Como é estúpida a ideia da GENERALIZAÇÃO!

Se pararmos para pensar, somos rotulados por tudo: pela forma como nos vestimos, pelos nossos costumes e comportamentos, pelo nosso modo de agir, pela nossa formação escolar e/ou universitária, pelas nossas funções na vida, pelo nosso estado civil; exemplos não faltam, até pela música que você ouve, ou o time que você torce, te rotulam ser de um certo jeito. E o pior, quando se é rotulado, ainda acham ruim contigo quando você "foge dos padrões" por eles estabelecidos. Alguém anda dizendo por aí, como é, para todo mundo ouvir? Ou se definindo de um jeito fixo e imutável? E que direito você dá a alguém para te julgar, ou achar que está certa ou errada a sua maneira de ser e agir, baseando-se na generalização?

Isso cansa, pois nos cobram que sejamos de um jeito, que não prometemos a ninguém que seríamos. Uma pessoa responsável, pode muito bem ter momentos de irresponsabilidade; o calmo, pode se estressar e ficar nervoso; o bondoso pode cometer alguma maldade, sem querer ou querendo; etc. A questão é que não sabemos meus queridos, o ser humano é imprevisível, e diante disso, não podemos garantir absolutamente nada.  

Pior do que isso, é a generalização onde somos rotulados baseados em informações primárias, como pelo seu sexo, por exemplo. Homem age assim; mulher assado. E logo vem o famoso TODO(A) homem/mulher faz isso, NENHUM(A) homem/mulher é de determinada forma. Ou seja, te julgam sem o menor conhecimento de quem você realmente é, e ainda acham que pelas experiências que tiveram ao longo da vida, "sabem" conhecer as pessoas, a partir dos seus pré-conceitos.

Portanto, acredito que a generalização nunca ajuda, mesmo quando determinado grupo age como você. Pois podemos ter semelhanças, mas não podemos esquecer das diferenças, da individualidade. Ninguém é igual a quem quer que seja! Podemos nos enquadrar em diversos estilos, diversos modos, somos livres. Não devemos generalizar, e sim aprender com as diferenças!

Você é igual à todo mundo?

segunda-feira, 8 de julho de 2013

É preciso saber perder!


"O importante é competir", diz o ditado popular repetido por um grande grupo de pessoas. Uma pequena minoria, vai além, e acredita que o importante mesmo é vencer, pois competir é para os fracos; os fortes e os melhores, devem sempre sair vitoriosos. Vivemos em uma sociedade extremamente competitiva, e somos incentivados a quase guerrear todos os dias numa competição sem fim. O que ninguém te ensina é que: "É preciso saber perder!".

Lembro da competição desde pequeno, mesmo nos primeiros anos de escola, o chamado "maternal"; quem desenhava melhor, ganhava prêmio e seu desenho ficava colado no mural; quem não faltava e fazia os deveres, ganhava estrelinha no caderno, junto com um parabéns escrito pela professora. Quem terminava as atividades primeiro, era esperto; quem demorava, era o "lerdinho". Ao longo dos anos isso vai piorando, e quanto mais crescemos, maior é a competição.

E eu me perguntava: "Por que eu tenho que competir? Por que sempre um tem que ganhar e o outro perder?"

A questão é que isso não é sempre uma escolha. Está certo que muitas vezes, existe a opção de não acontecer competição, mas em determinadas ocasiões, precisamos lutar pelo que queremos. Entretanto, nem sempre lutar é competir, muito menos jogar sujo, ou dar tanta importância à vencer. Quando entramos numa competição obsessiva, isso nos torna escravos de uma guerra sem fim, de sermos melhores do que alguém.

Muitas vezes já me disseram que venci, disseram que eu fazia algo melhor que outros. Mas quem julga isso? Somos melhores ou piores de acordo com alguém, certo? Será que todos que julgam quem é melhor ou pior, agem com imparcialidade? Será que somos julgados pelo TODO, e não por MOMENTOS?

É importante o autoconhecimento, e principalmente, a busca de uma superação pessoal nossa. Não devemos competir com alguém, e sim, tentar ser melhor que nós mesmos. Não importa ser melhor que ninguém, seja lá quem esse alguém seja; importa é ser o melhor que VOCÊ pode ser, apenas isso. Faça o melhor para você se superar, não para superar alguém. Não se cobre a perfeição, não se cobre ser melhor em tudo, todos temos facilidades para certas coisas, dificuldades para outras. O que importa não é competir, o que importa é sermos felizes, sermos os melhores que pudermos ser, nada além disso.

Só se importa em perder quem compete com os outros. Para quem busca superação pessoal, perder é apenas um incentivo para querer melhorar ainda mais, é um aprendizado. Perder, sem se abater!


domingo, 30 de junho de 2013

TOP FIVE - JUNHO

19/01/2012, 4 comentários

05/06/2013, 4 comentários



02/05/2013, 1 comentário

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Em questão de segundos


Nem sempre temos tempo de pensar bem e analisar uma situação, muitas vezes somos pegos no susto. Costumo pensar que é mais fácil agir corretamente quando observamos uma situação com cuidado, quando analisamos os prós e contras; geralmente temos bons resultados dessa forma. Mas na minha opinião, a pessoa decide sua vida, seus caminhos, seu destino, em boa parte das vezes: Em questão de segundos.

Decidir algo prontamente, reagir à uma situação inesperada, é muito complicado na maioria das vezes. Você pode estar fazendo tudo certo, e de repente, é posto em xeque, tudo aquilo que você alcançou até então, em questão de poucos segundos, você pode ganhar ou perder, se alegrar ou sofrer, viver ou morrer. Ser pego no susto, é a hora do "vamos ver".

Como exemplo, o apostador de poker, que tem poucos segundos para decidir se tem uma boa jogada, analisar os adversários, se vale a pena tentar um blefe, podendo apostar tudo e perder, ou mesmo deixar de apostar e se prejudicar depois. Outro caso se dá na situação da vítima de um assalto, o ladrão pega de surpresa, em poucos segundos a vítima reage ou entrega passivamente suas coisas, e dependendo da reação, isso pode acabar bem ou muito mal, para ambas as partes.

Existe também a hora certa de falar, a hora certa de se calar. Falar na oportunidade ideal os seus sentimentos por alguém; expor seus pontos de vista quando mal interpretado; ter coragem de falar quando todos pensam o oposto de você, correndo sério risco de rejeição. Também saber se calar no momento de certa discórdia mais agressiva, evitando uma confusão; segurar os impulsos, respirar fundo, quando sua vontade é de jogar tudo para o alto e partir para a ignorância; engolir um sapo, as vezes enorme, para evitar certas complicações.

É nessa hora que aparecem os vitoriosos, pois é preciso ter calma e ao mesmo tempo agilidade em momentos cruciais da vida. Esses momentos é que fazem a diferença; é a hora onde você mostra se aprendeu alguma coisa ao longo do tempo, ou se simplesmente decorou respostas certas e politicamente corretas. É na hora do susto que as máscaras caem, e aí você inevitavelmente mostra a sua cara. Na hora do susto, EM QUESTÃO DE SEGUNDOS, seja você mesmo, respire fundo e faça seu melhor, nada mais que isso!


quarta-feira, 19 de junho de 2013

Eu acredito é na rapaziada!


Há poucos dias, iniciou-se um pequeno protesto que reclamava e pedia justiça pelo aumento das passagens na cidade de São Paulo. Devido à maneira agressiva e truculenta da repressão, representada pelos policiais e governo, a população cansada de sofrer tanto tempo calada, em condições tão difíceis, resolveu dar um basta e entrar nessa luta coletiva por dias melhores. Antes de tomar qualquer partido, eu sempre procuro saber sobre o que estou falando, e agora posso dizer com certeza: "Eu acredito é na rapaziada!"

O povo brasileiro, tão pacífico em sua maioria, simplesmente se cansou de ser o povo que mais paga imposto no mundo, e vive em condições precárias. Cansou de ver seus governantes desinteressados em melhorias para o povo, apenas preocupado em melhorar suas condições particulares e dos seus, desviando o dinheiro que deveria ser destinado à todos. Saúde, educação, transporte, segurança, nada funciona direito. E aí, como sempre, vem a política do pão e circo, vamos distrair o povo e colocar Copa e Jogos Olímpicos no Brasil, que aí o povo se distrai, e pronto! Dessa vez não, dessa vez, basta!

Eu te pergunto: "Por que nossos políticos não querem investir em educação, por exemplo?"

Primeiramente, porque os filhos deles estudam nas melhores escolas brasileiras, ou até mesmo, vão estudar fora do país, tendo educação de qualidade e sendo assim, no futuro, estarão bem mais preparados que a maioria dos jovens brasileiros, conseguindo melhores oportunidades e salários. Mas o "X" da questão é que educação gera reflexão, e é justamente isso que eles não querem que você faça! Quanto mais alienado todos nós formos, melhor para eles continuarem com esse esquema corrupto, sem que haja qualquer intervenção.

Essa revolta acontece, por conta disso, as pessoas estão tendo acesso às informações, estão sabendo o quanto estão sendo enganadas. Hoje a mídia não consegue mais nos manipular, pois corre em tempo real notícias de tudo que acontece na internet. O povo está cansado de ver gente morrendo por falta de atendimento nos hospitais; o povo está cansado de ver pais de família morrendo queimados, pois os ladrões acharam que o dinheiro que eles tinham na carteira, era pouco para o que eles esperavam roubar; o povo está cansado de morrer, sem reagir a assalto; o povo está cansado dessa lei que protege menores de idade, que agem como bem quiserem, matam, estupram, e pegam pena máxima de 3 anos!

Você provavelmente já leu tudo que aqui está exposto, mas eu não consigo me calar diante disso. Está na hora de mostrar a nossa cara, pensar no futuro dos nossos filhos, pensar em ter um país mais justo para todos. A grande maioria que está na rua, não passa necessidade, vivem até em condições boas...mas lutam por justiça e igualdade, lutam por aqueles que sofrem todos os dias, são explorados sem pena. Chegou a hora de mudar, chegou a hora de sermos ouvidos! Tenho orgulho da rapaziada que está na rua, lutando por todos os brasileiros, mostrando que os filhos do Brasil não fogem à luta, nossa pátria tão amada. Mas façamos tudo isso sem violência e sem vandalismo, todos que forem de bem, não se escondam atrás de máscaras. Assim, todos que estiverem escondendo o rosto, serão os mal intencionados que se infiltram nos protestos para fazer baderna! Proteste, mas pacificamente, vamos cuidar do que é nosso, inclusive lutar contra os vândalos também!

Como dizia Gonzaguinha:

"Eu acredito é na rapaziada
Que segue em frente e segura o rojão
Eu ponho fé é na fé da moçada
Que não foge da fera e enfrenta o leão

Eu vou à luta com essa juventude
Que não corre da raia a troco de nada
Eu vou no bloco dessa mocidade
Que não tá na saudade e constrói
A manhã desejada"

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Dorme agora


Quando se tem um filho, realiza-se um sonho. Sonho de continuidade familiar, de passar para ele todos os ensinamentos possíveis. Cria-se a expectativa de viver todos os momentos ao lado dele, até chegar a hora da partida, a hora de dizer adeus. Os pais imaginam que irão ver o filho nascendo, crescendo, envelhecendo, mas nunca verão o filho partindo, pois pela ordem natural das coisas, os filhos deveriam morrer depois de seus pais. Infelizmente, não se pode prever o destino, e alguns pais precisam ver seus filhos partindo!

É tocante demais acolher o sentimento de pais que perdem seus filhos. Se palavras pudessem explicar, acho que a definição melhor para esta dor, é um enorme vazio que fica, parece que se perde um certo brilho de vitalidade do olhar, que apagaram uma chama que vivia dentro do coração e era percebida através dos olhos. Muitas vezes, estes pais não conseguem sequer chorar, por tamanha dor que sentem. É como arrancar parte deles, deixando um vazio impreenchível.

Na grande maioria dos casos, os pais desejavam ter morrido no lugar de seus filhos, se tivessem a escolha de decidir o destino. Cria-se uma revolta natural, uma exigência de explicações, sensação de injustiça, afinal, existe castigo maior na vida, que perder um filho?! Perguntas assombram, como: "Por que comigo? Por que não me levou no lugar dele?"

Apesar da dor, alguns pais não olham essa perda como uma felicidade que se tinha, e foi tirada para sempre; e sim agradecem pela oportunidade de ter vivido todos aqueles momentos, ao lado de seu filho, mesmo que desejassem que aquela experiência perdurasse por mais tempo. Afinal, as lembranças, os momentos, o amor, o carinho, nada disso se apagará ou será esquecido; de alguma forma, acreditam que valeu a pena ter vivido isso, olhando pelo lado de tudo que existiu de bom. Não encaram como um adeus, e sim, um até logo.

"Dorme agora, é só o vento lá fora..."

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A gratidão


Ao longo da vida, pouco a pouco, vamos crescendo, nos aprimorando, evoluindo, melhorando. Muitas vezes, alcançamos objetivos que antes pareciam impossíveis, superamos barreiras, vencemos desafios gigantes, solucionamos cada problema complicado. Então paramos e pensamos: "Eu consegui tudo sozinho? Eu cheguei onde cheguei, sem ajuda? Quem foi que me ajudou?". Tenho certeza absoluta que você SEMPRE precisou de alguém, por isso é importante: A gratidão.

Antes mesmo de nascer, nós já precisamos de nossos pais para nos dar a vida. Nossas mães, mesmo que algumas não sejam mães maravilhosas, fizeram esforço para que nós nascêssemos,  nos carregaram na barriga por aproximadamente 9 meses, nos deram a oportunidade de estar no mundo, nos amamentaram. Nossas famílias ou a família que nos adotou de alguma forma, nos ensinou nossos valores, nossos costumes, nossos hábitos. Nos ensinaram a falar, a andar, a comer, a viver.

Nossos amigos sempre dividiram suas experiências, contando seus erros e acertos. Nos ouviram e nos deram um ombro amigo nos momentos que precisávamos chorar, comemoram conosco as vitórias e conquistas. Nos puxaram e nos deram a mão, quando nós caíamos no percurso da vida. Os amigos, que muitas vezes se afastaram, por circunstâncias da vida; as vezes, apenas por motivos comuns, apenas caminhos diferentes, mas amizade e carinho permaneceram intactos.

Não podemos esquecer dos nossos mestres, aqueles que mais idolatramos, os que mais nos ensinaram. Que por nobreza e enorme carinho, dividiram os seus conhecimentos e nos fizeram aprender aquilo que hoje dominamos, assim como eles. Quantos mestres cruzaram nossos caminhos e mudaram completamente nossa vida, que acreditaram em nós, que enxergavam que éramos capazes, mesmo quando a gente mesmo não via.

Portanto, não seja um ingrato, agradeça todos os dias por tudo que você é, por tudo que você já conquistou. Não se esqueça das pessoas que te ajudaram e te ajudam. Mais do que tudo, seja grato, passe adiante seus conhecimentos, ajude a quem puder ajudar. Além de ter respeito e carinho por todos que um dia contribuíram para que você pudesse estar onde está agora. Nunca se esqueça que por melhor que você seja, um dia você já precisou de alguém e sempre precisará...


OBS: À todos aqueles que sempre me ajudaram, muito obrigado, de coração! Que um dia eu possa retribuir à vocês e/ou à outras pessoas, tudo aquilo que vocês me proporcionaram.

sábado, 1 de junho de 2013

TOP FIVE - MAIO

19/01/2012, 4 comentários



17/05/2013, 4 comentários


02/05/2013, 1 comentário


22/05/2013, 1 comentário

quinta-feira, 23 de maio de 2013

O tornado


Uma massa de ar frio, encontra uma massa de ar quente, que se manifesta como uma coluna de ar que gira de forma violenta e potencialmente perigosa, arrastando e levando tudo que se vê pela frente. O tornado é um dos fenômenos atmosféricos mais intensos que existem, causando grande devastação, tristeza e dor por onde passa. Somente paredes muito firmes, ou locais subterrâneos conseguem resistir.

A questão é que existem outros tornados, além de fenômenos atmosféricos. Se pararmos para pensar, quando se está dentro de um tornado, você é arrastado e perde o controle de para onde você quer ir ou estar. Vamos imaginar que o tornado seja um conjunto de coisas ruins, entre elas: a inveja, a falsidade, a maldade, o egoísmo, entre outras, que vem arrastando tudo que vê pela frente.

Como diz o velho ditado, "a desgraça gosta de companhia", e tenha certeza que algumas pessoas infelizes não irão querer a sua felicidade. Infelizmente, essas pessoas que não estão felizes, desejam que todos sintam o mesmo que elas. Muitas vezes, nem é algo pessoal, é simplesmente egoísmo mesmo. E a pessoa infeliz acaba entrando no tornado, e uma vez dentro dele, fica difícil sair desse redemoinho gigante.

Mas tenha muito cuidado para não ser puxado para dentro de um tornado. Nem sempre o tornado é visível aos seus olhos, e somos testados ao longo da vida, por pessoas que não estão bem, e procuram nos tirar do sério também, nos puxando para o tornado. E uma vez que você cai nessa armadilha, passa a ser arrastado junto. Não é bom para eles, nem para você, e ambos ficam presos nesse apanhado de coisas ruins, alimentando raiva, ódio e tristeza. Ah se todos pudessem entender que puxar alguém para dentro do tornado, não irá salvá-los, só aumentará ainda mais o tamanho do tornado.

Por isso, tenha cuidado! Para escapar do tornado, não tente enfrentá-lo; corra para os porões quando for preciso, e o espere passar. Após ele acabar, você terá a chance de ajudar a encontrar sobreviventes, vasculhando os destroços. Se este fenômeno, por acaso, passar perto de você, mantenha o equilíbrio e os pés bem firmes no chão. Ir de encontro ao tornado, só irá te arrastar e ser mais um a sofrer, então mantenha distância. Como dizia um salva-vidas que palestrava na praia para crianças: "muito cuidado ao tentar resgatar alguém que está se afogando, pois no desespero de se salvar, muitas vezes quem está se afogando puxa para o fundo quem tenta resgatá-lo, e ambos se afogam"...

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Nota do autor

Recentemente, ando recebendo algumas mensagens de leitores, que me procuram e me dão retorno dos textos que encontram neste blog. E certas coisas me tocam, me deixam feliz e recompensado por escrever aqui minhas reflexões. Tanta gente se identificando com as mensagens, houve uma pessoa que me disse nos bastidores, que deixou de tirar a própria vida após ler o texto "suicídio", que pensou em cometer este horrível ato, então jogou no Google a palavra suicídio, encontrou um texto meu e deixou de lado a ideia de se matar.

Como explicar o poder das palavras? Como pensamentos vagos meus, podem ajudar tantas pessoas?

É um mistério para mim também. Como vocês percebem, o blog não tem qualquer interesse financeiro. Existem coisas que eu vivo, que eu vejo, e percebo vivendo. Até que há alguns anos, eu resolvi colocar isso escrito de alguma forma, e alguém me falou: "Tem um negócio na internet que é como um diário, que fica na internet, e algumas pessoas podem encontrar, e ler se quiserem". Então aos 15 anos de idade, eu montei esse pequeno diário, chamado "Nunca é tarde para mudar", divulguei para amigos; não deu muito certo na época, pois meus pensamentos não eram tão elaborados como são os de hoje. Deixei o blog no esquecimento, até que ele saiu do ar por falta de atualização.

Anos depois, esses pensamentos falavam alto, gritavam na minha cabeça. Eu precisava falar com alguém, eu precisava desabafar, eu precisava transmitir as coisas que chegavam até mim, e não houve outro jeito. Renasceu o blog, e agora, diferentemente da primeira versão, há milhares de visitas, centenas de visitas por dia. Não vou mentir para vocês, eu já pensei diversas vezes em parar de escrever, mas algo fala mais forte, e me pede para continuar, e quando chega esse "feedback", não tem preço. Certas palavras são tão gratificantes, que eu nem sei como explicar, é uma sensação única, sensação de dever cumprido, de ajudar o próximo, de fazer um pouquinho que seja, pelo outro.

Não pensem que sou um cara maravilhoso, perfeito, pois eu não sou; sou humano como todos vocês, tenho defeitos também, fraquezas semelhantes a de todo mundo. Erro como todo mundo, mas a diferença é que o erro me motiva a acertar. O nome do blog não é atoa, "nunca é tarde para mudar", eu pensava isso, cansava de ouvir pensamentos como "sou assim, vou morrer assim". Por quê? Se algo não me agrada, se eu vi que errei, não tenho o direito de fazer diferente e mudar?

Para finalizar, quero agradecer à todos que frequentam, comentam, compartilham, curtem, e conhecem um pouco essa minha maneira de ver o mundo, o mundo pelos olhos do Victor. Não concordo que eu ajudo as pessoas, pois ambos nos ajudamos. O pagamento que eu recebo são de palavras lindas, que mexem comigo, que muitas vezes me emocionam, a sensação que dinheiro nenhum no mundo compra. É uma troca, entre mim e vocês; se melhoro o dia de alguém, podem ter certeza que vocês também melhoram os meus. Muito obrigado por TUDO! E não se esqueçam, que "Nunca é tarde para mudar"...

sexta-feira, 17 de maio de 2013

A paixão te encontrou


Carência, vontade louca de ganhar um abraço apertado, um beijo apaixonado, de ouvir alguém dizendo que te ama. Desejar olhar nos olhos, sem pronunciar uma única palavra, mas demonstrando coisas tão profundas e sinceras. Querer viver aqueles momentos únicos, que dinheiro não compra, que mentira não engana, que supera todo e qualquer obstáculo. Mergulhar de cabeça, se entregar por inteiro, de corpo e alma. Não dá para esconder, não dá para negar, se você apresentar estes sintomas: A paixão te encontrou.

Rir sozinho, imaginar a pessoa por quem você se apaixonou o tempo inteiro, parece impossível tirar aquele pensamento da cabeça, não dá para lembrar de mais nada. Tudo se torna indiferente quando você se apaixona, a única coisa que importa é buscar amar e ser amado. Armadilha do destino, que te desmonta e te tira de todos os seus objetivos anteriores. Quando a paixão é correspondida, você aprende que nem só os pássaros podem voar.

A partir disso, até mesmo aqueles que diziam que nunca iriam se apaixonar, acabam admitindo que esse lance de paixão é mais forte que o velho orgulho de não se entregar. É incontrolável, não há opção e não há meios de fugir disso, afinal, como controlar aquele coração que dispara e parece querer sair pela boca, só de olhar para aquela certa pessoa? Como controlar as mãos que suam, a tremedeira das pernas, a respiração ofegante?

O mundo fica mais colorido, os problemas não tem mais importância, e temos a impressão que todas aquelas músicas que falam de amor, foram feitas especialmente para nós, contam nossa história. O romantismo toma conta, invade aquele coração que batia solitário e parece que preenche um vazio que existe enquanto se vive sem um ser amado.

Se você se apaixonar, permita-se viver isso, mesmo se em outras ocasiões, as coisas não tenham saído como era esperado. Apaixone-se sempre que puder, apaixone-se várias e várias vezes, até se for pela mesma pessoa. A paixão é o combustível que bombeia o nosso coração, que faz toda essa parafernália que chamamos de corpo, funcionar. Então jogue bastante lenha na fornalha, e embarque nesse trem! A todo vapor...